Stone Age - Hans im Glück

devir
Um jogo de Michael Tummelhofer para 2 a 4 jogadores, a partir dos 10 anos, com a duração entre 60 a 90 minutos.

Conteúdo
- 1 Tabuleiro de Jogo;
- 4 Tabuleiros de jogadores;
- 68 Recursos de madeira;
- 40 Pessoas de madeira;
- 8 Marcadores de madeira;
- 53 Peças de comida;
- 28 Peças de construção;
- 18 Peças de Ferramenta;
- 1 Figura de jogador inicial;
- 36 Cartas de civilização;
- 7 Dados;
- 1 Copo de dados de cabedal;
- 1 Folha informativa.


Com 13 passos simples e rápidos, muito bem explicados no livro de regras em Português, podes iniciar o jogo num curto espaço de tempo.

Uma ronda do jogo está dividida em 3 fases, que são executadas pela ordem que segue:
1. Os jogadores posicionam as suas pessoas no tabuleiro do jogo;
2. Os jogadores usam as acções das pessoas que posicionaram;
3. Os jogadores alimentam o seu povo.

Cada local do tabuleiro do jogo tem anéis que representam o número máximo de pessoas que podem ser posicionadas nesse local.
No sentido dos ponteiros do relógio, começando com o jogador inicial, cada jogador pode posicionar 1 ou mais das suas pessoas num local. O posicionamento alternado continua até que todos os jogadores tenham posicionado todas as suas pessoas no tabuleiro do jogo. Atenção que não é permitido uma segunda colocação no mesmo local.

Depois de terminada a primeira fase, os jogadores utilizam as acções dos locais onde posicionaram as suas pessoas. Terminada esta fase, cada jogador recupera todas as suas pessoas.

Na 3ª fase, os jogadores alimentam o seu povo. Para isso, cada jogador retira comida da reserva de acordo com a posição do seu marcador no indicador de comida. De seguida devolve 1 comida à reserva por cada figura de pessoa no seu tabuleiro individual.
Se um jogador não tiver comida suficiente para alimentar o seu povo terá de optar por devolver recursos ou perder pontos.

Uma vez alimentado o povo de cada jogador, uma nova ronda tem inicio.

O jogo termina quando não existirem cartas de civilização suficientes para preencher os espaços respectivos no início de uma ronda ou se pelo menos 1 monte de edifícios se esgotar.

Quem obtiver mais pontos é o vencedor.


Estamos perante um jogo muito bom e muito interessante, com regras simples e fáceis de perceber. O esquema explicativo de como preparar e iniciar o jogo, permite começar a jogar num curto espaço de tempo.
Um jogo ao estilo de “The Pillars of the Earth".
Uma vez que existem múltiplas combinações estratégicas, obriga a um planeamento cuidado durante todo o jogo.
A vitória só se sabe no final do jogo, com a pontuação final. Por isso, ir à frente no trilho da pontuação antes da pontuação final, não é sinónimo de vitória.
Os jogadores não podem justificar o seu fracasso com a presença contínua dos dados no jogo. O factor sorte não é um factor demasiado significativo. É importante, mas mais importante é a capacidade de cada jogador, em ter um bom planeamento estratégico.
As ilustrações das regras, do tabuleiro do jogo, dos tabuleiros individuais e das cartas são de qualidade e facilitam imenso a dinâmica e compreensão do jogo.
O “Stone Age” deve fazer parte da colecção de qualquer jogador de jogos de tabuleiro que se preze. É uma excelente prenda...


Tema/Objectivo









8
Mecânica/Regras









8
Componentes/Artwork









8
Jogabilidade/Interacção









9
Estratégia/Dificuldade









8
Duração/Diversão









9
Originalidade/Criatividade









8
Preparação/Começar a jogar









9
Caixa do jogo/Apresentação









9
Preço/Vale o Dinheiro









10
Apreciação Global8,6

dreamwithboardgames
Michael Tummelhofer BGGBoardGameGeek
Comprar o JogoSite Oficial

Para quem quiser tentar ganhar um exemplar do jogo, só tem de escrever ao Pai Natal da Devir.

Photobucket

dreamwithboardgames
Reiner Knizia Kosmos
Comprar o JogoBoardGameGeek


Paulo Santos
Paulo Santos
Maria Constança Silva

1 comentário:

GamersPoA - Ubiratã Oliveira disse...

muito legal o blog..tô sempre por aqui de olho...
quanto ao Stone acho o melhor jogo pra estreiar a galera não gamer...
bonito, facinho, rapidão...
braços,
Bira